Geolocalização como forma de rastreamento de animais de estimação.

Durante as últimas décadas, os avanços tecnológicos foram os mais expressivos da história humana sendo que basicamente em todas as áreas do cotidiano das pessoas, o impacto pode ser notado. Os mais expressivos impactos é  o acesso à um repositório de conhecimento gigante, a internet, em qualquer lugar que possua sinal ou cobertura de um satélite e casado a isso, acesso a mini computadores de bolso que são os smartphones e dispositivos móveis que juntamente a eles trazem uma tecnologia bastante expressiva, a localização e geolocalização. 

Por sua vez, algo que também teve um grande aumento durante os últimos anos foi o número de animais de estimação presentes na casa de pessoas. Baseado no senso de realizado pelo IPB (Instituto Pet Brasil) em 2021, há cerca de 149,6 milhões de animais domésticos vivendo em lares no Brasil. Este dado faz com que o Brasil seja o país com a terceira maior população de animais de estimação do mundo.

O que é Geolocalização?

A geolocalização nada mais é do que a localização geográfica a partir das coordenadas de latitude e longitude, o termo surgiu no meio militar para auxiliar em tempos de guerra. A origem da tecnologia em si se deu durante a Guerra Fria onde a corrida espacial entre USSR e Estados Unidos estava em seu auge, e por ser uma guerra que não envolvesse conflitos armados diretos mas sim inovações tecnológicas e ideológicas entre os dois países. 

Durante a corrida espacial a URSS lançou o primeiro satélite em órbita, o Sputnik. A partir desse evento, cientistas americanos perceberam que conforme a distância do satélite sovietico a frequência das ondas de rádio eram diferentes, podendo assim ter uma ideia de onde o satélite estava na órbita. A partir dessas observações se viabilizou o uso das frequências de rádio para a determinação de localizações. 

Sua primeira aplicação então foi militar, e ao longo de sua evolução foi responsável pelo nascimento de uma das tecnologias mais importantes com o uso da geolocalização, o GPS. Entretanto existem diversos métodos para geolocalização cada um com sua especialidade, esses métodos são:

Radiofrequência

A Radiofrequência é uma técnica que se utiliza-se de emissões eletromagnéticas através de uma torres de comunicação que através disso, caso ache o dispositivo na sua área de cobertura, pode estimar a posição do receptor. Apesar de ser uma tecnologia viável, é de curto alcance pois exige que o dispositivo que está tentando achar esteja dentro da sua cobertura o que muitas vezes, pode não acontecer.

GPS e AGPS

GPS (Global Position System) é a tecnologia que vem à mente quando se pensa em geolocalização. É utilizada no cotidiano de todos os usuários de smartphones através de aplicativos como o Google Maps, Waze, Uber entre outros. Ela permite que se saiba onde se está no mundo com bastante precisão, com três satélites ou mais, presentes na órbita terrestre triangulam os sinais e envia as coordenadas para o smartphone, assim podendo saber sua posição no globo.

Existe também o AGPS que é uma evolução direta do GPS. Seu grande diferencial é a utilização de antenas de celulares para ajudar na localização, similar a radiofrequência que é outra tecnologia de geolocalização utilizada para localizar aparelhos. Isso faz com que o AGPS não dependa apenas de satélites o fazendo versátil em momentos que, apesar de serem raros, a cobertura dos satélites não seja satisfatória.

WiFi

É o método que se utiliza da intensidade do sinal de WiFi para a determinação do posicionamento do dispositivo. É por esse motivo um método bastante limitado em seu alcance, mas bastante eficiente no que promete cumprir.

Mas como essas informações se encaixam no rastreamento de animais?

Como já exposto, o número de animais de estimação no Brasil e no mundo cresce exponencialmente, e esses animais vêm das mais variadas formas. A  preferência no país é por cachorros sendo que 58% das residências os possuem como membros da família, os outros animais são gatos com 28% dos lares, 11% possuem aves e 7% peixes. Uma figura que é bastante parecida com a distribuição mundial sendo ela 33% cães, 23% gatos, 12% peixes e 6% aves.

Com isso fica claro uma maior apreciação por animais e naturalmente isso cria uma necessidade de oferecer mais e melhores amenidades para os pets, dessa forma, entretenimento, alimentação e especialmente segurança são colocados em destaque. Nesse contexto, o rastreamento de animais e os dispositivos que realizam essa funcionalidade surgem para sanar essas necessidades. Eles então se utilizam da tecnologia que foi explanada ao longo deste texto, a geolocalização que de suas raízes militares agora ajudam a proteger animais de estimação ao redor do mundo.

O que são os rastreadores de animais?

Os rastreadores para animais são em sua grande parte as coleiras que possuem um tracker GPS acoplado possibilitando a triangulação da posição e consequentemente do animal de estimação que estiver a usando. Essas coleiras podem ser compradas com esses trackers mas há também a opção de comprar aparelhos separados e adicioná-los nas coleiras. Alguns exemplos são aparelhos como o AirTag e ITag ambos produzidos pela Apple ou o Samsung Galaxy SmartTag que servem uma função mais generalista de tracking já que podem ser colocados tanto nos animais quanto em malas ou bolsas. 

 Possuindo uma interface para visualização da posição que pode ser acessada através de qualquer plataforma que suporta o aplicativo ou serviço, seja ela IOS, Android ou Windows, esses aparelhos de tracking possibilitam que o usuário tenha informações detalhadas para o monitoramento do animal de estimação seja onde quer que esteja, o vem se tornando indispensável nos atuais dias.

Conclusão

Atualmente o aumento de animais domésticos trouxe um grande mercado para amenidades e segurança. Dessa forma a geolocalização, tecnologia que já é usada em larga escala, se casa perfeitamente com as necessidades para o tracking dos animais, onde com um simples dispositivo é possível que se adicione uma camada de vigilância a mais para o conforto da pessoa e seu companheiro animal.

Autor: Guilherme Giachellin

Referências

Adaptabilidade e Eficiência: A Essência das Metodologias Ágeis

As metodologias ágeis são técnicas que aumentam a velocidade de entrega de projetos. Elas funcionam dividindo as entregas em ciclos menores, permitindo que problemas sejam identificados e resolvidos mais rapidamente e que os planos sejam ajustados conforme necessário. Embora tenham sido inicialmente usadas em equipes de desenvolvimento de software, essas estratégias podem ser aplicadas a qualquer tipo de projeto.

Continue lendo “Adaptabilidade e Eficiência: A Essência das Metodologias Ágeis”

Amazon SES: Entenda as vantagens e desvantagens de se usar

Email

No mundo atual, manter um contato contínuo com clientes e parceiros pode ser uma tarefa difícil, ainda mais para grandes empresas. Uma forma de realizar essa comunicação é utilizando e-mails. Porém, o monitoramento para que eles realmente cheguem a um destinatário pode ser difícil e até mesmo de alto custo. Assim, a utilização de um meio externo para realizar esse trabalho é uma ótima opção.

Continue lendo “Amazon SES: Entenda as vantagens e desvantagens de se usar”

5 Bibliotecas open source para reconhecimentos de objetos e OCR

Quando desejamos extrair informações de imagens ou vídeos, a maior dificuldade está no reconhecimento das informações, separar um texto com uma imagem no fundo pode parecer uma tarefa muito difícil. Porém não é, hoje possuímos muitas bibliotecas que podem nos auxiliar nestas tarefas e fazer isto com apenas algumas linhas de código. E o melhor de tudo, de graça.

Continue lendo “5 Bibliotecas open source para reconhecimentos de objetos e OCR”

Google Docs: Criando e compartilhando documentos on-line de forma gratuíta.

Google DocsO Google Docs é mais um aplicativo free oferecido pela Google, que possibilita a criação de documentos, planilhas e apresentações on-line, que podem ser compartilhados por um grupo de pessoas que poderão editá-lo em conjunto.

Com uma interface muito parecida com os outros editores de texto o Google Docs e muito fácil de usar contém barras de ferramentas com ícones para a formatação de texto e vários outros recursos, além de não ser mais necessário ter essas ferramentas instaladas na máquina. Continue lendo “Google Docs: Criando e compartilhando documentos on-line de forma gratuíta.”

Boas Práticas para Desenvolvimento Sistemas

Utilizar boas práticas de programação é um item básico para quem planeja ou já atua na área, trata -se de tudo que pode tornar o código melhor, ou seja  mais legível, veloz, econômico e de fácil manutenção.Um programador que usa boas práticas facilita o entendimento do seu código para seus colegas, e para si mesmo, poupando seu tempo e o da empresa.

Novas boas práticas podem ser criadas todos os dias, já que programadores sempre se deparam com novas situações, por isso todo desenvolvimento exige acima de tudo bom senso,  o ideal é programar visando sempre a melhor performance, o entendimento do código.
Alguns exemplos práticos: Continue lendo “Boas Práticas para Desenvolvimento Sistemas”

Compressão de dados em ambientes corporativos

Através de algoritmos é possível codificar e comprimir/compactar arquivos reduzindo seus tamanhos, sejam eles textos, planilhas, fotos, vídeos ou qualquer conteúdo multimídia. Podemos realizar a liberação de espaço nos discos das estações de trabalho e servidores, racionalizando o uso e otimizando o sistema como um todo utilizando compressão de arquivos.

Podemos citar como principais vantagens do uso de compressão de arquivos a redução do espaço em disco para armazenamento e aumento da velocidade para transferência dos arquivos nas redes locais e internet. No âmbito corporativo, a compressão de arquivos reduz significativamente a banda da rede. Continue lendo “Compressão de dados em ambientes corporativos”

Os passos para implantar um processo de MPS (Managed Print Service) ou Outsourcing de impressão

Sempre que falamos de MPS (Managed Print Service) ou serviço de gerenciamento de impressão nos deparamos com um grande problema: muitos dos players deste mercado estão pouco preparados para verdadeiramente prestar este serviço. Procure sempre parceiros e empresas prestadoras deste serviço com experiência comprovada e casos de sucesso.

Outsourcing de impressão é o nome dado no Brasil ao processo de terceirizar os serviços de gerenciamento de impressão. Infelizmente, muitos chamam qualquer “serviço de impressão” de “outsourcing de impressão”, o que não é correto. O que iremos abordar aqui é o que todas as empresas deveriam fazer e ter em conta como MPS (Managed Print Service), serviço completo de gerenciamento de impressão ou um outsourcing de impressão profissional. Continue lendo “Os passos para implantar um processo de MPS (Managed Print Service) ou Outsourcing de impressão”

Usabilidade. Você pensa nisso? (Boas práticas para desenvolver páginas fáceis de navegar)

Usabilidade é a simplicidade e facilidade com que uma interface, um programa de computador ou um website pode ser utilizado. Em outras palavras, é uma interface fácil de usar, fácil de aprender e que faz com que o usuário não cometa erros.

Você já teve dificuldade para navegar em algum website? Já desistiu de algum website por ser difícil de navegar? Pois é… Isso é muito é comum quando as páginas não priorizam a usabilidade.

Às vezes, desenvolver um website com uma navegação diferenciada e fora do comum é interessante e pode render resultados muito bons. Porém, é importante pensar no público-alvo e seguir algumas boas práticas para desenvolvimento de interfaces. Continue lendo “Usabilidade. Você pensa nisso? (Boas práticas para desenvolver páginas fáceis de navegar)”

Entendendo como a Microsoft cobra os serviços Windows Azure

Windows Azure: Fatos sobre os preços e contratos de nível de serviço.
Existem alguns componentes na Plataforma Windows Azure. Cada um deles tem seu próprio modelo de cobrança e de contrato de nível de serviço. As informações desta página definem o modelo de cobrança para os componentes, além de como é calculado o Contrato de Nível de Serviço para o componente. Continue lendo “Entendendo como a Microsoft cobra os serviços Windows Azure”