Geolocalização como forma de rastreamento de animais de estimação.

Durante as últimas décadas, os avanços tecnológicos foram os mais expressivos da história humana sendo que basicamente em todas as áreas do cotidiano das pessoas, o impacto pode ser notado. Os mais expressivos impactos é  o acesso à um repositório de conhecimento gigante, a internet, em qualquer lugar que possua sinal ou cobertura de um satélite e casado a isso, acesso a mini computadores de bolso que são os smartphones e dispositivos móveis que juntamente a eles trazem uma tecnologia bastante expressiva, a localização e geolocalização. 

Por sua vez, algo que também teve um grande aumento durante os últimos anos foi o número de animais de estimação presentes na casa de pessoas. Baseado no senso de realizado pelo IPB (Instituto Pet Brasil) em 2021, há cerca de 149,6 milhões de animais domésticos vivendo em lares no Brasil. Este dado faz com que o Brasil seja o país com a terceira maior população de animais de estimação do mundo.

O que é Geolocalização?

A geolocalização nada mais é do que a localização geográfica a partir das coordenadas de latitude e longitude, o termo surgiu no meio militar para auxiliar em tempos de guerra. A origem da tecnologia em si se deu durante a Guerra Fria onde a corrida espacial entre USSR e Estados Unidos estava em seu auge, e por ser uma guerra que não envolvesse conflitos armados diretos mas sim inovações tecnológicas e ideológicas entre os dois países. 

Durante a corrida espacial a URSS lançou o primeiro satélite em órbita, o Sputnik. A partir desse evento, cientistas americanos perceberam que conforme a distância do satélite sovietico a frequência das ondas de rádio eram diferentes, podendo assim ter uma ideia de onde o satélite estava na órbita. A partir dessas observações se viabilizou o uso das frequências de rádio para a determinação de localizações. 

Sua primeira aplicação então foi militar, e ao longo de sua evolução foi responsável pelo nascimento de uma das tecnologias mais importantes com o uso da geolocalização, o GPS. Entretanto existem diversos métodos para geolocalização cada um com sua especialidade, esses métodos são:

Radiofrequência

A Radiofrequência é uma técnica que se utiliza-se de emissões eletromagnéticas através de uma torres de comunicação que através disso, caso ache o dispositivo na sua área de cobertura, pode estimar a posição do receptor. Apesar de ser uma tecnologia viável, é de curto alcance pois exige que o dispositivo que está tentando achar esteja dentro da sua cobertura o que muitas vezes, pode não acontecer.

GPS e AGPS

GPS (Global Position System) é a tecnologia que vem à mente quando se pensa em geolocalização. É utilizada no cotidiano de todos os usuários de smartphones através de aplicativos como o Google Maps, Waze, Uber entre outros. Ela permite que se saiba onde se está no mundo com bastante precisão, com três satélites ou mais, presentes na órbita terrestre triangulam os sinais e envia as coordenadas para o smartphone, assim podendo saber sua posição no globo.

Existe também o AGPS que é uma evolução direta do GPS. Seu grande diferencial é a utilização de antenas de celulares para ajudar na localização, similar a radiofrequência que é outra tecnologia de geolocalização utilizada para localizar aparelhos. Isso faz com que o AGPS não dependa apenas de satélites o fazendo versátil em momentos que, apesar de serem raros, a cobertura dos satélites não seja satisfatória.

WiFi

É o método que se utiliza da intensidade do sinal de WiFi para a determinação do posicionamento do dispositivo. É por esse motivo um método bastante limitado em seu alcance, mas bastante eficiente no que promete cumprir.

Mas como essas informações se encaixam no rastreamento de animais?

Como já exposto, o número de animais de estimação no Brasil e no mundo cresce exponencialmente, e esses animais vêm das mais variadas formas. A  preferência no país é por cachorros sendo que 58% das residências os possuem como membros da família, os outros animais são gatos com 28% dos lares, 11% possuem aves e 7% peixes. Uma figura que é bastante parecida com a distribuição mundial sendo ela 33% cães, 23% gatos, 12% peixes e 6% aves.

Com isso fica claro uma maior apreciação por animais e naturalmente isso cria uma necessidade de oferecer mais e melhores amenidades para os pets, dessa forma, entretenimento, alimentação e especialmente segurança são colocados em destaque. Nesse contexto, o rastreamento de animais e os dispositivos que realizam essa funcionalidade surgem para sanar essas necessidades. Eles então se utilizam da tecnologia que foi explanada ao longo deste texto, a geolocalização que de suas raízes militares agora ajudam a proteger animais de estimação ao redor do mundo.

O que são os rastreadores de animais?

Os rastreadores para animais são em sua grande parte as coleiras que possuem um tracker GPS acoplado possibilitando a triangulação da posição e consequentemente do animal de estimação que estiver a usando. Essas coleiras podem ser compradas com esses trackers mas há também a opção de comprar aparelhos separados e adicioná-los nas coleiras. Alguns exemplos são aparelhos como o AirTag e ITag ambos produzidos pela Apple ou o Samsung Galaxy SmartTag que servem uma função mais generalista de tracking já que podem ser colocados tanto nos animais quanto em malas ou bolsas. 

 Possuindo uma interface para visualização da posição que pode ser acessada através de qualquer plataforma que suporta o aplicativo ou serviço, seja ela IOS, Android ou Windows, esses aparelhos de tracking possibilitam que o usuário tenha informações detalhadas para o monitoramento do animal de estimação seja onde quer que esteja, o vem se tornando indispensável nos atuais dias.

Conclusão

Atualmente o aumento de animais domésticos trouxe um grande mercado para amenidades e segurança. Dessa forma a geolocalização, tecnologia que já é usada em larga escala, se casa perfeitamente com as necessidades para o tracking dos animais, onde com um simples dispositivo é possível que se adicione uma camada de vigilância a mais para o conforto da pessoa e seu companheiro animal.

Autor: Guilherme Giachellin

Referências

Geolocalização e o seu uso para apoiar a tomada de decisões em aplicações

Muitas vezes quando gostaríamos de ir para um lugar que não conhecemos, é muito comum utilizar algum aplicativo que encontre a menor rota de acordo com o que for mais importante para quem for realizar esse percurso. Entretanto, apesar de ser cada vez mais comum situações como essa, muitas pessoas ainda não sabem como a geolocalização funciona e em como ela está impactando no seu dia a dia.

Continue lendo “Geolocalização e o seu uso para apoiar a tomada de decisões em aplicações”

Um pouco sobre Bootstrap

 

 

 

 

 

 

Desenvolva com facilidade e praticidade.

Principal Framework CSS usado em front-end de aplicações web, com seus recursos, tornam o desenvolvimento de páginas mais fácil, páginas que se adaptam a diversos tamanhos de tela.

Conceito

Bootstrap é um conjunto de componentes correlacionados para ajudar a desenvolver interface com o usuário de forma ágil e fácil. Foi criado em agosto de 2011 pelos desenvolvedores do Twitter, Mark Otto e Jacob Thorton. Tem como objetivo central fornecer ao usuário uma facilidade de desenvolvimento de layouts pré-configurados, tanto para questão de produtividade como também da questão da responsividade.

Customização, responsivo e documentação são as principais características do Bootstrap. Pois a customização é rápida e fácil, responsividade torna o site mais responsivo e a documentação conforme o site do desenvolvedor, mostra que é bem simples e prático de aprender tornando a implementação fácil. Geralmente usado em frond-end, mas atualmente é utilizado em back-end, pois suas ferramentas visuais tornam o visual dos projetos avançados mais aperfeiçoado. Dessa forma, o usuário fica mais familiarizado com o sistema.

Incluso em seu conjunto de recursos, se encontram o HTML 5, CSS 3, Jquery, Node, JavaScript, Ajax. Dessa forma, ao baixar o pacote Bootstrap, não será mais preciso baixar os plug-ins do Jquery por exemplo, pois já faz parte do pacote do Bootstrap.

Rápido

Bootstrap é rápido por quatro motivos:

  1. Seus arquivos tem um tamanho bem pequeno.
    1. js tem no máximo 83kb;
    2. css tem no máximo 98kb
    3. webfont tem no máximo 144kb.
  2. Carrega só o que precisa, somente o que for utilizado no projeto.
  3. Escrever menos código, não precisará definir todo o layout do formulário, pois irá usar classes pré-definidas e melhorar o layout do formulário sem precisar codificar mais nada por exemplo.
  4. Utiliza o sistema de Grids, principal enfoco do Bootstrap, por causa das 12 colunas que se trabalha de forma dinamizada da ferramenta.

 Fases do Bootstrap:

  • Versão 1 – Somente disposto para facilitar o desenvolvimento para desktops. Não tinha os conceitos ligados a responsividade de acordo com outros dispositivos, exemplo tablets, smartphones.
  • Versão 2 – Desenvolvimento para desktop com adaptação para tablete e por fim smartphones. Foi implementado a responsividade para dispositivos móveis.
  • Versão 3 – Surgiu o conceito de mobile first, que é justamente a questão da responsividade inicial para mobile para posteriormente adaptação dos desktops. Inverso da segunda versão.
  • Versão 4 – Realizado a mudança do modelo Less para o Sass, deixando a compilação mais rápida. Fim do suporte para IE8 e lançamento do Bootstrap themes.

Sistema de grade (Grids System) é responsivel e permite até 12 colunas através da página. Tem 4 tipos de classes, dependendo do dispositivo e pode ser ntegrado com outro para criar layouts flexíveis. O layout de sites que são visualizados tanto em navegadores de desktops ou mobile, são de extrema importância, pois o uso das grids, tem o papel de ajustar o layout conforme o tamanho da tela. Assim, tornando sistemas de grade útil.

Bootstrap fornece ferramentas para a construção de sites e aplicações modernas, agregando recursos dinâmicos. Sendo uma ferramenta gratuita e de fácil acesso, vale muito a pena o uso de Bootstrap em projetos mais avançados.

Autor Douglas Beux
Fontes:
Baseado em http://www.ericplatas.com.br/artigos/introducao-bootstrap-framework/.
Adaptado de https://imasters.com.br/design-ux/design-responsivo/7-razoes-para-desenvolver-seus-web-designs-no-bootstrap/?trace=1519021197&source=single.
Adaptado de https://www.youtube.com/watch?v=0o2GWZ0uUeY&t=1839s.

SEO (Search Engine Optimization): O que devo lembrar na hora de escrever um post para blog e ser achado nos mecanismos de pesquisa.

SEO - Search Engine OptimizationSEO (Search Engine Optimization), conhecido como Otimização de Sites e Buscas tem como finalidade fazer com que um site na web possa ser bem visto pelas ferramentas de busca, deixando assim possível encontrar o site desejado no Google, por exemplo. Através de algoritmos responsáveis para isso é capaz de deixar uma página na web mais acessível.  O Google Page Rank é uma das ferramentas mais utilizadas para medir se um site é ou não bem estruturado. Continue lendo “SEO (Search Engine Optimization): O que devo lembrar na hora de escrever um post para blog e ser achado nos mecanismos de pesquisa.”

Estrutura de texto de post para blog.

Este texto tem como objetivo orientar as pessoas que querem criar um artigo para publicação em blogs e mostrar um forma eficiente de como organizar este artigo. Em nenhum momento ele tem como objetivo definir uma metodologia científica de como escrever um artigo de blog, e sim, orientar as pessoas que querem escrever um texto com uma qualidade aceitável e de forma entendível e mais atraente. Continue lendo “Estrutura de texto de post para blog.”