A popularização, facilidade e usabilidade dos sistemas operacionais móveis são os grandes atrativos da indústria mobile, mas nem por isso devemos descuidar das ameaças digitais.

Tudo é muito bem pensado, as inovações são constantes e a abrangência cada vez maior. De um lado temos a Apple e sua extrema resistência e controle dos aplicativos para IOS, de outro temos o Google e uma grande liberdade para aplicativos do Android.

Em 2012 foram vendidos 16 milhões de smartphones no Brasil, ou seja, mais de 30 smartphones por minuto. Isso só vem a ressaltar a importância dos dispositivos mobile na sociedade brasileira.

Em respeito da liberdade de aplicativos em dispositivos mobile, existe uma questão sobre o porquê deste bloqueio. A resposta da Apple é apenas uma, segurança! Não é para tanto, afinal até hoje, desde meados de 2007, quando contemplamos o lançamento do primeiro iphone, o IOS permanece. Já foram registradas diversas falhas no sistema que abriam brechas de segurança e diversos malwares¹ já tentaram passar pelos filtros da Apple Store (loja de aplicativos da Apple), mas poucos obtiveram sucesso e mesmo estes foram prontamente removidos da loja virtual. A Apple sempre se manteve reservada a utilização e comercialização de aplicativos de terceiros, possuindo um controle extremamente rígido de avaliação, desde aplicativos para seu sistema operacional voltado a desktops e notebooks, o MacOS. Infelizmente a Apple não pode mais se vangloriar de que seu MacOS é 100% impenetrável, já constam registros de malwares encontrados. Em abril de 2012 um trojan chamado Flashback infectou mais de 600 mil máquinas com o sistema MacOS, o que representa para a Apple mais de 1% do total de usuários do Mac.

O ponto a ser considerado é que até mesmo sistemas ditos como blindados podem se tornar vulneráveis. Mesmo com todo o controle por parte da Apple, ainda não ha real necessidade de utilizar um antivírus em um iphone, o contra disso é a perda de inúmeros aplicativos interessantes. O navegador Mozilla Firefox pode ser citado como exemplo. A Mozilla alega que ainda não foi permitida a disponibilizar seu navegador para dispositivos IOS, devido as restrições que acabam por tornar mais burocrática a liberação do aplicativo na loja virtual da Apple. Enquanto isso o Android possui uma ótima versão do aplicativo.

Seguindo na contra mão da Apple, o Google possui um certo filtro de aplicativos, mas é claramente inferior ao regime imposto pela Apple, uma vez que é muito mais fácil disponibilizar um aplicativo para download no Google Play (loja de aplicativos para Android da Google). Acompanhando essa maior liberdade temos o problema da insegurança nos aplicativos, pois inúmeros malwares já passaram pelos filtros da Google e acabaram por infectar milhares de aparelhos com Android.

Também existem antivírus para Android, que garantem prevenir estas ameaças. Observando um pouco mais o histórico do Android podemos constatar um caso onde alguns aplicativos para emulação de jogos de Super Nintendo foram exumados da sua loja virtual, não por questões de segurança, mas sim direitos autorais pertencentes a Nintendo. Mesmo assim ainda podemos encontrar estes emuladores disponíveis através de meios alternativos ao Android. Uma prova dessa insegurança é o fator de que em 2012 as ameaças digitais para Android corresponderam a 79% de um total para dispositivos móveis.

Considerando que o Android possui como núcleo do sistema operacional o Linux, espera-se que assim como as inúmeras distribuições Linux para desktop o Android seja tão seguro quanto. Acontece que não é exatamente assim, o Linux imposto ao Android acabou sendo tão adaptado que perdeu em muito sua essência, embora continue sendo Linux, perdeu-se muito das políticas de segurança, que realmente toravam o sistema seguro de fato.

Assim chegamos no famoso Jailbreak para iphone. Técnica esta que consiste em desbloquear o sistema para o uso de aplicativos não autorizados pela Apple. Por que alguém, em sã consciência, realizaria esta técnica, tendo em vista que é justamente este bloqueio da Apple que garante a blindagem do sistema? Para responder a esta questão precisamos voltar a 2007, no lançamento do primeiro iphone. A apple anunciou como um aparelho revolucionário, o que de fato foi (basta ver o que eram os smartphones antes e depois de iphone).

Mas o ponto principal, que de início não se tornou muito famoso entre os usuários foi o excelente IOS. É basicamente um sistema operacional completo no corpo de um celular. Não demorou muito para que os usuários mais hardcores descobrissem que aquele sistema escondia bem mais poder do que a Apple queria que seus usuários soubessem. A começar pelo fato de que não existiam aplicativos para o sistema, a ideia inicial era que tudo funcionasse pela nuvem, portanto não havia necessidade de aplicativos locais. Com o desenvolvimento do jailbreak, inúmeros desenvolvedores passaram a criar aplicativos para realizar tarefas que o IOS ainda não havia implementado, como a simples funcionalidade de copiar e colar textos e a multitarefa, permitindo abrir novos aplicativos enquanto se mantinham outros em segundo plano.

Apenas devemos salientar que esta técnica não é proibida judicialmente, apenas anula a garantia do iphone perante a Apple. E o ponto negativo? Certamente é a insegurança proporcionada. Não ha nenhuma garantia de que os aplicativos disponíveis em lojas alternativas a Apple Store sejam totalmente seguros e a prova de falhas.

Então, será que alguém ainda não possui um bloqueio por senha no smartphone? Essa é a hora de agir. Lembrando sempre do “bom senso”, requisito fundamental para evitar ataques virtuais, não apenas no seu smartphone, mas também nos tablets, desktops e notebooks.

Autor: Rober Zanotto Guerra
Referências:
– IDC Analyze the Future, http://br.idclatin.com/releases/news.aspx?id=1440
– Oficina da Net, Rafaela Pozzebon, http://www.oficinadanet.com.br/post/10069-android-e-o-lider-em-ameacas-digitais
– Revista Info, Monica Campi, http://info.abril.com.br/noticias/seguranca/malware-que-atacou-macs-teve-origem-no-wordpress-23042012-8.shl
– url imagem: http://blog.dialaphone.co.uk/wp-content/uploads/2011/01/phone-security.jpg

¹malware: qualquer software com objetivo malicioso.