Backups em Cloud – Vantagens e Desvantagens

Ao falarmos em armazenamento de dados em redes locais, logo lembramos que eles oferecem alto desempenho e disponibilidade de armazenamento acessível via interfaces padrão do setor.

Porém, quando o armazenamento de dados possui um volume considerável, o mesmo acaba se tornando caro e a segurança dessas informações fica cada vez mais preocupante, tendo em vista o seu armazenamento em uma rede local.

O que faz com que esse tipo de armazenamento fique caro, não é apenas o gasto com equipamentos físicos, mas também o gasto com ambiente apropriado para mantê-los e com pessoas para gerenciar esse armazenamento e a sua segurança. Continue lendo “Backups em Cloud – Vantagens e Desvantagens”

O que são os Cyber Attacks ?

Esse texto tem como objetivo mostrar como se originam os ataques cibernéticos, por quais meios e como podemos nos prevenir diante a essas ameaças.

Podemos dizer que o ataque cibernético basicamente é uma modalidade da guerra cibernética, na qual ela atinge a estrutura crítica de uma organização ou governo. Os ataques destinados principalmente a grandes organizações e governos, os ataques tem como principal fim, espionagem, terrorismo e baixa dos serviços dos oponentes.
Continue lendo “O que são os Cyber Attacks ?”

Prevenindo SQL Injection com C#

Com o avanço da tecnologia e o interesse das pessoas à ela, surgem cada vez mais hackers ou crackers. Uns para fazer o bem, trabalharem em organizações para protegê-las e outros para fazer o mal, invadirem máquinas para obtenção de usuários, senhas, inserir códigos maliciosos em sites entre outros.

Neste artigo, será tratado o  ataque SQL , que significa Linguagem de Consulta Estruturada, é a linguagem utilizada pelos SGDB’s no mundo todo.  Dependendo do SGDB, de como foi estruturado, é mais fácil ou não de introduzir um código malicioso. Claro, isso também depende dos testes feitos dentro do próprio programa que usa entradas ao SGBD. Continue lendo “Prevenindo SQL Injection com C#”

Os Diferentes Tipos de Leituras Biométricas

As caracterísitcas físicas e comportamentais dos seres humanos, forma mais segura de autenticação, é cada vez mais utilizada nos dias atuais.

O leitor biométrico é utilizado para identificar indivíduos com a coleta de informações físicas, após a coleta estas informações são armazenadas eletrônicamente para serem comparadas à outros registros. Continue lendo “Os Diferentes Tipos de Leituras Biométricas”

O que são os “Gold Farmers”?

 

Artigo_10

É considerada uma nova “profissão” que surgiu juntamente com a popularidade dos jogos multiplayer online. Os jogadores ficam online por horas, criam seus personagens, exploram mundos virtuais, obtêm armas, equipamentos, vencem inimigos, conquistam níveis seguintes, tudo isso com o fim de vender dinheiro do jogo em que acumulam por dinheiro no mundo real.

Grande parte dos gold farmers estão situados na China, onde muitas pessoas estão ligadas a este novo negócio, incluindo prisioneiros que são obrigados pelos chefes de prisão a praticar isto. Grupos de jovens chineses bancam uma vida jogando esses jogos online. Um exemplo de jogo é o World of Warcraft, em que os bens no jogo produzido são vendidos para o dólar real para jogadores de todo o mundo que pagam por isso para facilitar a carreira nos jogos e obter sucesso. Continue lendo “O que são os “Gold Farmers”?”

Modelagem de Ameaças – O que é, e porque aplicar

Estatísticas mostram avidamente o quão vulneráveis ainda somos. Em plena era da Informação, cada vez encontramos mais e mais dispositivos e sistemas sofisticados tendo sua integridade violada. O porquê disso? Bem, existe uma série de fatores, porém o importante ponto desta questão não é o porquê, e sim o como. Seu sistema está preparado para uma “eventual” falha de segurança? Saiba o que é a Modelagem de ameaças e diminua o risco de seu sistema ser vítima desse infortúnio.

  • Introdução

Considere a seguinte questão. Um aparelho de som dentro de uma casa, um recurso, e o assaltante, o invasor. Continue lendo “Modelagem de Ameaças – O que é, e porque aplicar”

Conhecendo para se defender, técnicas de invasão e hacking

Técnicas de invasão são formas de acesso a um site, servidor, computador ou serviço por alguém não autorizado, com fim de obter informações sigilosas ou controle. A invasão em si pode ser nociva com fins de agressão moral/monetária ou então construtiva, para análise de vulnerabilidades, sendo que, o objetivo pode ser tornar o usuário mais seguro explorando as vulnerabilidades. Continue lendo “Conhecendo para se defender, técnicas de invasão e hacking”

ACESSO REMOTO VIA SSH – Secure Shell

Existem várias formas de se fazer um acesso remoto entre um computador e outro, tanto de forma segura ou não. Nesse artigo será demonstrada uma técnica de acesso remoto seguro através do protocolo SSH (Secure Shell), explicando sobre o seu funcionamento.

1. Introdução

Com o avanço tecnológico das redes de computadores começou a se pensar em uma forma de acessar outro computador sem que o usuário estivesse presente, com isso, surgiram protocolos e programas para tal necessidade. Um deles foi o telnet, que através de comandos de texto permitia enviar arquivos e executar comandos em outra máquina, mas o grande problema era a segurança, pois tudo que era enviado não tinha nenhum tipo de criptografia, nem mesmo usuário e senha, sendo possível capturar essas informações através de ferramentas de interceptação de conteúdo. Através dessa necessidade surgiu o protocolo de acesso remoto seguro SSH (Secure Shell). Continue lendo “ACESSO REMOTO VIA SSH – Secure Shell”

Segurança, resistência e liberdade em Smartphones.

A popularização, facilidade e usabilidade dos sistemas operacionais móveis são os grandes atrativos da indústria mobile, mas nem por isso devemos descuidar das ameaças digitais.

Tudo é muito bem pensado, as inovações são constantes e a abrangência cada vez maior. De um lado temos a Apple e sua extrema resistência e controle dos aplicativos para IOS, de outro temos o Google e uma grande liberdade para aplicativos do Android.

Em 2012 foram vendidos 16 milhões de smartphones no Brasil, ou seja, mais de 30 smartphones por minuto. Isso só vem a ressaltar a importância dos dispositivos mobile na sociedade brasileira.

Em respeito da liberdade de aplicativos em dispositivos mobile, existe uma questão sobre o porquê deste bloqueio. A resposta da Apple é apenas uma, segurança! Não é para tanto, afinal até hoje, desde meados de 2007, quando contemplamos o lançamento do primeiro iphone, o IOS permanece. Já foram registradas diversas falhas no sistema que abriam brechas de segurança e diversos malwares¹ já tentaram passar pelos filtros da Apple Store (loja de aplicativos da Apple), mas poucos obtiveram sucesso e mesmo estes foram prontamente removidos da loja virtual. A Apple sempre se manteve reservada a utilização e comercialização de aplicativos de terceiros, possuindo um controle extremamente rígido de avaliação, desde aplicativos para seu sistema operacional voltado a desktops e notebooks, o MacOS. Infelizmente a Apple não pode mais se vangloriar de que seu MacOS é 100% impenetrável, já constam registros de malwares encontrados. Em abril de 2012 um trojan chamado Flashback infectou mais de 600 mil máquinas com o sistema MacOS, o que representa para a Apple mais de 1% do total de usuários do Mac.

O ponto a ser considerado é que até mesmo sistemas ditos como blindados podem se tornar vulneráveis. Mesmo com todo o controle por parte da Apple, ainda não ha real necessidade de utilizar um antivírus em um iphone, o contra disso é a perda de inúmeros aplicativos interessantes. O navegador Mozilla Firefox pode ser citado como exemplo. A Mozilla alega que ainda não foi permitida a disponibilizar seu navegador para dispositivos IOS, devido as restrições que acabam por tornar mais burocrática a liberação do aplicativo na loja virtual da Apple. Enquanto isso o Android possui uma ótima versão do aplicativo.

Seguindo na contra mão da Apple, o Google possui um certo filtro de aplicativos, mas é claramente inferior ao regime imposto pela Apple, uma vez que é muito mais fácil disponibilizar um aplicativo para download no Google Play (loja de aplicativos para Android da Google). Acompanhando essa maior liberdade temos o problema da insegurança nos aplicativos, pois inúmeros malwares já passaram pelos filtros da Google e acabaram por infectar milhares de aparelhos com Android.

Também existem antivírus para Android, que garantem prevenir estas ameaças. Observando um pouco mais o histórico do Android podemos constatar um caso onde alguns aplicativos para emulação de jogos de Super Nintendo foram exumados da sua loja virtual, não por questões de segurança, mas sim direitos autorais pertencentes a Nintendo. Mesmo assim ainda podemos encontrar estes emuladores disponíveis através de meios alternativos ao Android. Uma prova dessa insegurança é o fator de que em 2012 as ameaças digitais para Android corresponderam a 79% de um total para dispositivos móveis.

Considerando que o Android possui como núcleo do sistema operacional o Linux, espera-se que assim como as inúmeras distribuições Linux para desktop o Android seja tão seguro quanto. Acontece que não é exatamente assim, o Linux imposto ao Android acabou sendo tão adaptado que perdeu em muito sua essência, embora continue sendo Linux, perdeu-se muito das políticas de segurança, que realmente toravam o sistema seguro de fato.

Assim chegamos no famoso Jailbreak para iphone. Técnica esta que consiste em desbloquear o sistema para o uso de aplicativos não autorizados pela Apple. Por que alguém, em sã consciência, realizaria esta técnica, tendo em vista que é justamente este bloqueio da Apple que garante a blindagem do sistema? Para responder a esta questão precisamos voltar a 2007, no lançamento do primeiro iphone. A apple anunciou como um aparelho revolucionário, o que de fato foi (basta ver o que eram os smartphones antes e depois de iphone).

Mas o ponto principal, que de início não se tornou muito famoso entre os usuários foi o excelente IOS. É basicamente um sistema operacional completo no corpo de um celular. Não demorou muito para que os usuários mais hardcores descobrissem que aquele sistema escondia bem mais poder do que a Apple queria que seus usuários soubessem. A começar pelo fato de que não existiam aplicativos para o sistema, a ideia inicial era que tudo funcionasse pela nuvem, portanto não havia necessidade de aplicativos locais. Com o desenvolvimento do jailbreak, inúmeros desenvolvedores passaram a criar aplicativos para realizar tarefas que o IOS ainda não havia implementado, como a simples funcionalidade de copiar e colar textos e a multitarefa, permitindo abrir novos aplicativos enquanto se mantinham outros em segundo plano.

Apenas devemos salientar que esta técnica não é proibida judicialmente, apenas anula a garantia do iphone perante a Apple. E o ponto negativo? Certamente é a insegurança proporcionada. Não ha nenhuma garantia de que os aplicativos disponíveis em lojas alternativas a Apple Store sejam totalmente seguros e a prova de falhas.

Então, será que alguém ainda não possui um bloqueio por senha no smartphone? Essa é a hora de agir. Lembrando sempre do “bom senso”, requisito fundamental para evitar ataques virtuais, não apenas no seu smartphone, mas também nos tablets, desktops e notebooks.

Autor: Rober Zanotto Guerra
Referências:
– IDC Analyze the Future, http://br.idclatin.com/releases/news.aspx?id=1440
– Oficina da Net, Rafaela Pozzebon, http://www.oficinadanet.com.br/post/10069-android-e-o-lider-em-ameacas-digitais
– Revista Info, Monica Campi, http://info.abril.com.br/noticias/seguranca/malware-que-atacou-macs-teve-origem-no-wordpress-23042012-8.shl
– url imagem: http://blog.dialaphone.co.uk/wp-content/uploads/2011/01/phone-security.jpg

¹malware: qualquer software com objetivo malicioso.