Integração com plataforma Steam

À medida que a indústria de jogos continua a evoluir, a integração com plataformas de distribuição tornou-se vital para o sucesso de desenvolvedores e publishers. Neste artigo, mergulharemos no universo da Steam, a plataforma líder no mercado de games digitais, e exploraremos como aproveitar ao máximo suas ferramentas de integração.

A Steam e a Importância da Integração

O Steam, uma plataforma líder na distribuição de jogos digitais para computadores, é muito mais do que apenas uma loja virtual. Fundado pela Valve Corporation em 2002, inicialmente como uma solução para atualizações de jogos, o Steam evoluiu rapidamente para se tornar uma rede social e uma comunidade ativa de jogadores. Com uma biblioteca abrangente e uma comunidade global engajada, o Steam se tornou o epicentro dos jogadores de PC em todo o mundo.

No entanto, sua relevância transcende o entretenimento puro. A integração entre a Steam e diferentes sistemas ou aplicativos desempenha um papel crucial na garantia de uma experiência de jogo completa e harmoniosa para os usuários. Esse processo envolve a troca de dados e a sincronização de atividades entre diversas plataformas, tornando-se uma parte vital do cenário dos jogos digitais. Vamos explorar mais a fundo como essa integração funciona e por que é tão essencial neste universo em constante evolução.

Integração

A integração refere-se ao processo de conectar sistemas ou aplicativos diferentes para que possam trocar informações e funcionar de forma harmoniosa em conjunto. Envolve a transferência de dados e a sincronização de atividades entre diferentes sistemas. Uma plataforma de integração é uma ferramenta projetada para facilitar esse processo, oferecendo recursos específicos para conectar sistemas de maneira eficiente, automatizar fluxos de trabalho e garantir a comunicação adequada entre diferentes aplicativos ou serviços.

API

A API (Interface de Programação de Aplicativos) é uma ferramenta essencial no desenvolvimento de software e web, permitindo a comunicação e compartilhamento de dados entre diferentes aplicativos de forma segura e eficiente. Ela define regras e protocolos para que os aplicativos possam interagir, possibilitando a realização de diversas tarefas, como compras online e acesso a informações de GPS. As APIs aceleram o desenvolvimento de novos aplicativos ao oferecer funcionalidades prontas para uso, facilitam a integração entre sistemas e adaptam os serviços às necessidades específicas dos usuários.



Como funciona o processo de Integração com a Steam?

  • Introdução

O Steam disponibiliza uma Web API baseada em HTTP para acessar recursos do Steamworks, incluindo métodos públicos acessíveis por qualquer aplicativo capaz de fazer requisições HTTP e métodos protegidos que exigem autenticação de aplicativos de backend confiáveis.

  • Formato das requisições

As requisições são feitas através de HTTP ou HTTPS para o URI api.steampowered.com ou https://partner.steam-api.com para distribuidoras. A URI segue o formato https://api.steampowered.com/<interface>/<metodo>/v<versao>/ com parâmetros GET ou

POST.

  • Autenticação

Muitos métodos da Web API exigem autenticação, o que significa que uma chave única precisa ser passada junto com a solicitação. É necessário entender o processo de autenticação com chaves da Web API para garantir acesso aos métodos protegidos.

  • Parâmetros vetorizados

Alguns métodos aceitam vetores de parâmetros, indicados por sufixos [0] nos nomes, com um parâmetro “count” especificando a quantidade de itens no vetor.

  • Interfaces de serviço

Existem interfaces de serviço que aceitam argumentos em formato JSON, passados via parâmetro “input_json”.

  • Consulta de exemplo

A documentação fornece exemplos de consultas para diferentes métodos da Web API. Estudar esses exemplos ajuda a compreender como realizar solicitações específicas e interpretar os resultados retornados.

Exemplo fornecido pela Steam:

Ele recupera as 3 notícias mais recentes para Team Fortress 2.

A requisição específica que a resposta deve ser retornada como JSON e inclui: um parâmetro “appid” obrigatório (o AppID do Team Fortress 2 é 440) e um parâmetro “count” opcional para limitar a quantidade de resultados retornados.

GET /ISteamNews/GetNewsForApp/v2/?appid=440&count=3\r\n

Host: api.steampowered.com/r/n

Content-Length: 0\r\n\r\n

Resultados dessa consulta pelo link:

https://api.steampowered.com/ISteamNews/GetNewsForApp/v2/?appid=440&count=3

Ler mais sobre a chamada específica: ISteamNews/GetNewsForApp

  • Recuperação do ID Steam do usuário

A identificação de usuários é feita usando o ID Steam de 64 bits.

  • Endereços de hospedagem da Web API, firewalls

O serviço público está atrás do cache de borda da Akamai, com endereços IP variáveis. Para maior disponibilidade, as distribuidoras devem usar o serviço exclusivo para parceiros. É possível definir endereços IP permitidos para chamadas à Web API como camada adicional de segurança.

  • Integração com Serviços Específicos:

Além das chamadas comuns à Web API, existem interfaces de serviços que funcionam de forma semelhante, permitindo passar argumentos como um blob JSON. É necessário entender como utilizar essas interfaces para integrar serviços específicos do Steam.

  • Consulta da Comunidade e Suporte

Caso haja dúvidas ou dificuldades durante o processo de integração, é recomendável buscar ajuda na comunidade Steam ou entrar em contato com o suporte técnico para obter orientações adicionais.

Seguindo esses passos e utilizando a documentação fornecida pela Steam, é possível realizar com sucesso a integração de uma plataforma com o Steam, aproveitando os recursos disponíveis na Web API para oferecer uma experiência mais completa aos usuários. Ao garantir uma integração eficiente, os desenvolvedores podem potencializar as funcionalidades da Steam em seus próprios sistemas, agregando valor aos jogos e serviços oferecidos. Portanto, ao explorar as possibilidades da Web API do Steamworks e compreender as melhores práticas de integração, os profissionais da indústria de jogos estarão preparados para oferecer aos usuários uma experiência de jogo ainda mais envolvente e integrada.

Autora: Carolina de Moraes

Referências:

Web API Overview (Steamworks Documentation)

https://partner.steamgames.com/doc/features/community

https://plugg.to/diferenca-entre-hub-de-integracao-e-plataforma-de-integracao/

https://tecnoblog.net/responde/o-que-e-steam-tudo-sobre-a-loja-valve/

https://ebaconline.com.br/blog/o-que-e-uma-api-seo

Geolocalização como forma de rastreamento de animais de estimação.

Durante as últimas décadas, os avanços tecnológicos foram os mais expressivos da história humana sendo que basicamente em todas as áreas do cotidiano das pessoas, o impacto pode ser notado. Os mais expressivos impactos é  o acesso à um repositório de conhecimento gigante, a internet, em qualquer lugar que possua sinal ou cobertura de um satélite e casado a isso, acesso a mini computadores de bolso que são os smartphones e dispositivos móveis que juntamente a eles trazem uma tecnologia bastante expressiva, a localização e geolocalização. 

Por sua vez, algo que também teve um grande aumento durante os últimos anos foi o número de animais de estimação presentes na casa de pessoas. Baseado no senso de realizado pelo IPB (Instituto Pet Brasil) em 2021, há cerca de 149,6 milhões de animais domésticos vivendo em lares no Brasil. Este dado faz com que o Brasil seja o país com a terceira maior população de animais de estimação do mundo.

O que é Geolocalização?

A geolocalização nada mais é do que a localização geográfica a partir das coordenadas de latitude e longitude, o termo surgiu no meio militar para auxiliar em tempos de guerra. A origem da tecnologia em si se deu durante a Guerra Fria onde a corrida espacial entre USSR e Estados Unidos estava em seu auge, e por ser uma guerra que não envolvesse conflitos armados diretos mas sim inovações tecnológicas e ideológicas entre os dois países. 

Durante a corrida espacial a URSS lançou o primeiro satélite em órbita, o Sputnik. A partir desse evento, cientistas americanos perceberam que conforme a distância do satélite sovietico a frequência das ondas de rádio eram diferentes, podendo assim ter uma ideia de onde o satélite estava na órbita. A partir dessas observações se viabilizou o uso das frequências de rádio para a determinação de localizações. 

Sua primeira aplicação então foi militar, e ao longo de sua evolução foi responsável pelo nascimento de uma das tecnologias mais importantes com o uso da geolocalização, o GPS. Entretanto existem diversos métodos para geolocalização cada um com sua especialidade, esses métodos são:

Radiofrequência

A Radiofrequência é uma técnica que se utiliza-se de emissões eletromagnéticas através de uma torres de comunicação que através disso, caso ache o dispositivo na sua área de cobertura, pode estimar a posição do receptor. Apesar de ser uma tecnologia viável, é de curto alcance pois exige que o dispositivo que está tentando achar esteja dentro da sua cobertura o que muitas vezes, pode não acontecer.

GPS e AGPS

GPS (Global Position System) é a tecnologia que vem à mente quando se pensa em geolocalização. É utilizada no cotidiano de todos os usuários de smartphones através de aplicativos como o Google Maps, Waze, Uber entre outros. Ela permite que se saiba onde se está no mundo com bastante precisão, com três satélites ou mais, presentes na órbita terrestre triangulam os sinais e envia as coordenadas para o smartphone, assim podendo saber sua posição no globo.

Existe também o AGPS que é uma evolução direta do GPS. Seu grande diferencial é a utilização de antenas de celulares para ajudar na localização, similar a radiofrequência que é outra tecnologia de geolocalização utilizada para localizar aparelhos. Isso faz com que o AGPS não dependa apenas de satélites o fazendo versátil em momentos que, apesar de serem raros, a cobertura dos satélites não seja satisfatória.

WiFi

É o método que se utiliza da intensidade do sinal de WiFi para a determinação do posicionamento do dispositivo. É por esse motivo um método bastante limitado em seu alcance, mas bastante eficiente no que promete cumprir.

Mas como essas informações se encaixam no rastreamento de animais?

Como já exposto, o número de animais de estimação no Brasil e no mundo cresce exponencialmente, e esses animais vêm das mais variadas formas. A  preferência no país é por cachorros sendo que 58% das residências os possuem como membros da família, os outros animais são gatos com 28% dos lares, 11% possuem aves e 7% peixes. Uma figura que é bastante parecida com a distribuição mundial sendo ela 33% cães, 23% gatos, 12% peixes e 6% aves.

Com isso fica claro uma maior apreciação por animais e naturalmente isso cria uma necessidade de oferecer mais e melhores amenidades para os pets, dessa forma, entretenimento, alimentação e especialmente segurança são colocados em destaque. Nesse contexto, o rastreamento de animais e os dispositivos que realizam essa funcionalidade surgem para sanar essas necessidades. Eles então se utilizam da tecnologia que foi explanada ao longo deste texto, a geolocalização que de suas raízes militares agora ajudam a proteger animais de estimação ao redor do mundo.

O que são os rastreadores de animais?

Os rastreadores para animais são em sua grande parte as coleiras que possuem um tracker GPS acoplado possibilitando a triangulação da posição e consequentemente do animal de estimação que estiver a usando. Essas coleiras podem ser compradas com esses trackers mas há também a opção de comprar aparelhos separados e adicioná-los nas coleiras. Alguns exemplos são aparelhos como o AirTag e ITag ambos produzidos pela Apple ou o Samsung Galaxy SmartTag que servem uma função mais generalista de tracking já que podem ser colocados tanto nos animais quanto em malas ou bolsas. 

 Possuindo uma interface para visualização da posição que pode ser acessada através de qualquer plataforma que suporta o aplicativo ou serviço, seja ela IOS, Android ou Windows, esses aparelhos de tracking possibilitam que o usuário tenha informações detalhadas para o monitoramento do animal de estimação seja onde quer que esteja, o vem se tornando indispensável nos atuais dias.

Conclusão

Atualmente o aumento de animais domésticos trouxe um grande mercado para amenidades e segurança. Dessa forma a geolocalização, tecnologia que já é usada em larga escala, se casa perfeitamente com as necessidades para o tracking dos animais, onde com um simples dispositivo é possível que se adicione uma camada de vigilância a mais para o conforto da pessoa e seu companheiro animal.

Autor: Guilherme Giachellin

Referências

ASP.NET Boilerplate: Simplificando o desenvolvimento de aplicações

Não se repita! ASP.NET Boilerplate automatiza tarefas comuns de desenvolvimento de software por convenção. Você se concentra em seu código comercial.

Com a tecnologia em alta e o consequente aumento de desenvolvedores no mundo, surge uma questão em meio a isso, a maneira de como os famosos códigos são escritos. Com o tempo, percebe-se que não basta simplesmente sair escrevendo linhas e linhas de códigos, sem nenhum padrão ou cuidado, pode ser que no fim você alcance o que deseja, porém não utilizou de alguns princípios deste imenso mundo, como simplicidade, modularidade, e diversos outros.

Não há nada de errado em não aplicar os princípios de boas práticas, pois sem elas seu código pode chegar no resultado desejado, porém é questão de tempo até você começar a fazer isto automaticamente. Você perceberá ao encontrar uma aplicação desenvolvida com estas práticas, e verá que elas realmente fazem a diferença. Mas e quais são as boas práticas? Temos muitas…

  • Código legível: Simples, fácil de entender.
  • Funções pequenas e coesas: Que faça somente o que precisa ser feito.
  • Nomes intuitivos: Variáveis, funções, classes, etc, com nomes que qualquer pessoa entenda.
  • Comentários relevantes: Comente apenas o que realmente for necessário.
  • Formatação do código: Para melhorar a legibilidade do código.
  • Testes unitários: Não canse de testar o que você está escrevendo.
  • Sem duplicidade: Tente criar funções genéricas para evitar repetição.

Além destes citados acima, podemos falar sobre o SOLID, um conjunto de cinco princípios de design de software que visam criar um código mais flexível, robusto e fácil de manter. Dessa forma teremos:

  • S: Princípio da Responsabilidade Única – Uma classe deve ter apenas uma responsabilidade.
  • O: Princípio do Aberto/Fechado – Entidades devem ser abertas para extensão, e fechadas para modificação, permitindo que o comportamento seja estendido sem alterar o código já existente.
  • D: Princípio da Substituição de Liskov – Subtipos devem ser substituíveis por seus tipos base sem afetar a funcionalidade do código.
  • I: Princípio da Segregação de Interfaces – Usuários não devem depender de interfaces que não utilizem, ou seja, interfaces devem ser específicas para o usuário que as utilizam.
  • D: Princípio da Inversão de Dependência – Módulos de alto nível não devem depender de módulos de baixo nível, porém ambos devem depender de abstrações, tornando assim um código mais flexível.

É claro que se faz necessário aprofundar-se um pouco mais nestes princípios para ir aos poucos colocando em prática.

Durante a carreira de um programador, ele conhecerá e utilizará muitas ferramentas e tecnologias que irão lhe auxiliar justamente nas práticas citadas anteriormente, na construção de sua aplicação. Uma dessas ferramentas é o ASP.NET Boilerplate, um framework para modernas aplicações web.

Boilerplate fornece uma arquitetura em camadas baseado em DDD – Domain Driven Design, uma abordagem para modelagem de domínio de um problema complexo – e utiliza os princípios do SOLID. Ele é projetado como um design modular e extensível que permite construir seus próprios módulos, e também oferece suporte a Multi Tenancy.

É um framework gratuito e open-source, com uma documentação completa, com diversos exemplos e tutoriais, além de sua grande comunidade. Ele permite criar sua solução com base em modelos de inicialização gratuitos ou premium, independente se for um aplicativo Angular com uma única página ou uma clássica arquitetura MVC com jQuery.

Sobre o framework em si, são códigos escritos em cima do ASP.NET Core, utilizando de todas as boas práticas, que já vêm “prontos” para serem utilizados ou sobrescritos, de preferência mantendo a mesma “boa prática”, é claro.

Um exemplo clássico que podemos citar é o CRUD (Create, Read, Update, Delete) que você sempre encontra nas aplicações. O Boilerplate lhe entrega essas funcionalidades prontas, basta apenas você implementá-lo da forma que precisa.

Este trecho de código acima, já está fazendo o CRUD completo. É claro que a Entidade e seus Dtos (Data Transfer Objects) estão em outras pastas, porém já é perceptível o auxílio que o ABP fornece, e isto é um simples exemplo.

Na imagem acima, tem algumas ferramentas e tecnologias que o ABP possui integração. É altamente sugerido que você acesse a documentação para estudar mais sobre e ver até onde pode chegar com este framework. É inegável que ele lhe auxilia muito, por lhe trazer todas as boas práticas que são muito importantes no mundo de hoje, e também diversas funcionalidades já prontas em seu código, as quais te economizam um certo tempo e também lhe agregam conhecimento.

Autor: Fábio Augusto Silva Tessaro

Adaptabilidade e Eficiência: A Essência das Metodologias Ágeis

As metodologias ágeis são técnicas que aumentam a velocidade de entrega de projetos. Elas funcionam dividindo as entregas em ciclos menores, permitindo que problemas sejam identificados e resolvidos mais rapidamente e que os planos sejam ajustados conforme necessário. Embora tenham sido inicialmente usadas em equipes de desenvolvimento de software, essas estratégias podem ser aplicadas a qualquer tipo de projeto.

Continue lendo “Adaptabilidade e Eficiência: A Essência das Metodologias Ágeis”

Integrações com adquirentes de cartões de credito


Você já ouviu falar em adquirente? Se o seu negócio conta com máquina de cartão para receber pagamentos, é importante entender esse conceito. As adquirentes são componentes fundamentais para empreendedores iniciantes que pretendem oferecer diversas formas de pagamento aos seus clientes, afinal, esse tipo de solução costuma trazer vantagens para os negócios, aumentar o número de vendas e a receita mensal.

Continue lendo “Integrações com adquirentes de cartões de credito”

TypeScript e suas aplicações

Conforme desenvolvemos uma aplicação, vamos escrevendo milhares de linhas de código, que ao longo do tempo vamos esquecendo, vamos esquecendo os parâmetros, o retorno, e especialmente a implementação, e rapidamente ficamos confusos e até perdidos quanto a como devemos prosseguir, isso faz com que precisemos reler o código, até reconstruir o raciocínio lógico que criamos, para então continuarmos. Especialmente quando temos que reescrever algo ou consertar um bug.

Continue lendo “TypeScript e suas aplicações”

O uso da IA na recomendação de games

Já se passaram os tempos em que videogames eram considerados como diversão somente para jovens e amantes da tecnologia. O fato é: o mercado de videogames vem crescendo ano após ano e cada vez mais pessoas dos mais diversos grupos sociais adotam este meio de entretenimento. Ao mesmo tempo, vemos nos últimos anos um boom de tecnologias de recomendação, desde o algoritmo de recomendação de vídeos do Tik Tok até a sugestão de produtos semelhantes da Amazon, a conclusão que podemos chegar é: possuir soluções personalizadas e precisas de recomendação é obrigatório para o sucesso de qualquer negócio.

Continue lendo “O uso da IA na recomendação de games”