Nota: Enquanto os desenvolvedores brasileiros “ficam fazendo mais do mesmo“, o resto do mundo vem para cá com outros produtos, para disputar e crescer em nosso mercado.

O anúncio foi feito na abertura da Blizzcon 2011, nos Estados Unidos, o trabalho de tradução do game já dura cerca de 2 anos.

O game on-line com suporte para diversos jogadores ao mesmo tempo (MMORPG) “World of Warcraft”, será lançado oficialmente no Brasil em dezembro, de acordo com Mike Morhaime, presidente da Blizzard, durante abertura da feira Blizzcon 2011, em Anaheim, nos EUA.

O jogo terá textos e diálogos totalmente em português, e será vendido por R$ 30 e terá mensalidade de R$ 15.  De acordo com a empresa, os jogadores brasileiros poderão comprar o game em caixa nas lojas ou sua versão digital no site Battle.net por R$ 30, que inclui o game original e a expansão “The Burning Crusade”. O título poderá ser jogado gratuitamente por 30 dias. Após este período, será necessário o pagamento de uma mensalidade de R$ 15 (nos EUA, é de US$ 15). Os usuários poderão pagar o valor por meio de cartão de crédito, débito, transferência bancária ou boleto.

Longa tradução

O trabalho de trazer o jogo oficialmente para o país, segundo a Blizzard, já dura cerca de 2 anos. “Estamos muito satisfeitos com o trabalho de tradução”, comemora Steve Huot, diretor da Blizzard para a América Latina, aoG1. “Apenas na tradução dos textos foram mais de 4 milhões de palavras. E isso não inclui as vozes que foram dubladas para contar as histórias do jogo. É um grande passo e queríamos ter feito do jeito certo. Não foi fácil”.

Ele afirma também que o preço da assinatura do game é exclusivo para o público brasileiro. “O preço de um ingresso para o cinema custa cerca de R$ 30 e as pessoas assistem um filme de duas horas. Com R$ 15 eles terão um conteúdo incrivelmente maior e mais imersivo e poderão jogar o quanto quiserem durante o mês”, diz Huot.

As expansões “The Wrath of the Lich King” e “Cataclysm”, que ampliam o conteúdo de “World of Warcraft” também estarão disponíveis para os jogadores brasileiros. “Sabemos que existem muitos jogadores aqui que já estão bastante avançados dentro do jogo e não poderíamos deixar as expansões de fora. Como são mais recentes, elas serão vendidas por R$ 100”, explica Huot.

Jogadores do MMO no país que atualmente pagam a mensalidade em dólares poderão pagá-la em reais assim que o game estiver disponível. O método de transferência ainda não está definido, mas é possível que um e-mail seja enviado avisando da troca. Ainda, será possível uma migração para o “reino” brasileiro. “Os usuários terão uma chance para migrar seus personagens para o reino que tiver jogadores brasileiros, caso desejem, gratuitamente. Após, será cobrado uma pequena taxa”, diz o executivo.

Feito para os brasileiros

“World of Warcraft” é um jogo de RPG on-line sem limite de jogadores (MMORPG) lançado em 2004 e se tornou um fenômeno dos games, com mais de 12 milhões de usuários ativos em todo o mundo. Nele, o jogador deve criar um personagem escolhendo entre algumas raças e realizar missões para evoluir de nível. É necessário trabalhar em grupo para concluir as “Quests” e eliminar monstros poderosos. Ele possui versões em  inglês, francês, alemão, coreano, russo, espanhol e chinês e já possui três expansões com “Cataclysm” sendo a última, lançada no dia 7 de dezembro de 2010. Ela remodelou todo o mundo do game.

Em visita ao Brasil para o anúncio do lançamento do título no país, J. Allen Brack, diretor de produção de “World of Warcraft” há mais de seis anos, o grande trabalho de traduzir todo o conteúdo de quase sete anos, além da quantidade de texto e diálogos, foi a adaptação. “Trabalhamos, por exemplo, para fazer com que piadas feitas nos Estados Unidos e que estão no jogo fossem entendidas com o mesmo nível de humor pelos brasileiros”, explica.

'World of Warcraft' permite que jogadores criem seus personagens e interajam com outros usuários para cumprir missões (Foto: Divulgação)

Ele confirma que o game está 100% traduzido, dos textos que explicam as “Quests”, ou missões, aos itens, e mapas. “Entretanto, quem preferir não jogar o game em português podem habilitar outras línguas como o inglês”, afirma Brack.

Para os brasileiros, haverá um “reino” dedicado à língua portuguesa. “O Brasil está incluído na região ‘Americas’, que inclui, Estados Unidos, América Latina e, agora, o Brasil. É possível jogar em todos esses servidores, independentemente da língua. A comunicação funciona bem na Europa, com servidores franceses e alemães, por exemplo. Quem entrar no servidor brasileiro, sabe que ali todos falam português”, afirma o diretor.

Brack conta que está sempre pensando em “World of Warcraft” e qual será o próximo passo para o game. “Penso no game desde quando acordo até quando vou dormir. Penso em novas aventuras para levar os jogadores e no que melhorar”. Com isso, ele afirma que eventos conhecidos do público brasileiro podem aparecer no MMO. “Embora gostamos de separar o mundo real do mundo do jogo, pensamos em criar algo como o Carnaval dentro de ‘World of Warcraft'”.

Artigo de Gustavo Petró em G1